Domínios sem fim

Sessão 1 - O fim começou

No ninho do falcao nos defrontamos com uma enxurrada de “servos” dirigindo-se ao corte de madeira.

Axamos estranhu por se tratar de muitos, assim resolvemos investigar.

Inicialmente descobrimos que existe uma madeira muito especial que é colhida em 200 e 200 anos, dentro de um acordo feito por varias raças com a guilda dos madeireiros.

Um dos compradores são os orientais que querem fundar uma cidade dentro do reino. O nome de uma delas é Li. As outras duas que a acompanhavam nao falaram nomes, mas uma tinha cabelo branco e olhos totalmente brancos, e a outra cabelos pretos. Elas compraram a madeira do dono da Guilda e foram embora por meios mágicos. Eles retiraram uma adaga prateada para conjurar a magia Teletransporte. No lugar delas, ficou um pano. O japinha (personagem de Bruno) pegou-o e este entrou em seu braço, gradativamente, ate desaparecer mesclando-se com a pele. Krauser via que o pano brilhava, mas ninguem via. Depois de mesclado, Krauser e o japinha viram que saia uma parte do pano dos dedos do japinha. Era um pedaço curto, que nao era possível pegar.

Krauser conseguiu entrar na casa do dono da guilda e viu o contrato da senhora li. O preço a ser pago era QUADRADO-TRIANGULO-QUADRADO (nao me lembro a sequencia corretamente).

Depois apareceu um dragão enorme voando sobre a cidade.

Outro comprador eh Dracon (que veio acompanhado de duas pessoas e “a bordo” de um dragao vermelho super hiper mega antigo anciao), um ser muito forte que parece um principe, nao sabemos seus interesses.Que estava com a posse do machado do lobo bugbear muito loco. Dracon comentou sobre Krauser, o grupo que o acompanhava, e perguntou sobre Percival, pois o bugbear comentou com ele. Dracon falou que o Bugbear está morto juntamente com seu ‘pai’.

Estes fizeram seus pagamentos atraves de codigos que nao entendemos, mas sabemos que se trata de algo com muito valor(um po muito valioso). O preço pago era TRIANGULO-QUADRADO-QUADRADO (nao me lembro a sequencia corretamente).

Conseguimos algumas amostras dessa madeira e fomos, asssim, investigar sua fonte.
Fomos por um trilha a um dia de viagem utilizando montarias fantasmagoricas criadas pelo nosso amigo “pj de bruno”.

Em 5 hs de viagem chegamos num lugar diferente, em que as frutas eram muito duras. neste lugar encontramos uma “arvre” do tamanho 10000000… vezes maior que o dragao mencionada acima.
Ela nos levou no ponto que eh retirada a madeira, neste local encontramos um vilarejo. Os moradores sao os guardioes dessas arvores.

Lá, conhecemos um senhor que aparentemente tomava conta dos trabalhadores. Ele lamentou pois vimos na frente e acordamos ELE (a árvore). Bull’s eye teve a idéia de falar com os responsáveis pela floresta, ja que provavelmente eles nao fariam questao de nos contar as cosias que sabiam, afinal, era um trato que ocorria a 200 anos entre eles e os ditos ‘civilizados’.

Saimos com esse cara batendo nas arvores com o pedaço negro de arvore. O barulho parecia metal. Krauser conseguiu ver uma das pessoas escondidas. Quando demos fé, todos apareceram na nossa frente. Aparentemente como lider, um deles praticamente humilhou aquele que Krauser viu. Conversamos com eles. Ele nao sabia contar números, nao sabia quem eram Mielikki nem Silvanus. Este cara comentou que viu os anões fugirem das montanhas, ou seja, ele é bemmmmmmmmmmmmmmmm velho. Falou que a madeira nao tem muita importancia pra ele, mas deve ter pra os civilizados. Comentou que tudo por ai é mais duro que o normal (frutos, arvores, etc.) e que as árvores retiradas se recuperavam rapidamente.

Por intermédio de Krauser e seu famoso grupo de heróis, soubemos que os orientais está montando uma “casa” (esqueci nome, depois atualizem) na cidade de Daerlunn e uma cidade em território militar.

PERGUNTAS : – Por que montar essa cidade? e essa casa?
– Por que esse interesse dos dragoes e dos orientais por esta madeira negra?
– Quem são os outros compradores alem destes?

Jaga é convocado para tomar o lugar de Krauser em sua tarefa na cidade de Ninho do Falcão.
Zalbag e Varian vao ao encontro de Krauser através de meios mágicos e Krauser mostra a madeira, o liquido que escorre de seu centro quando cortada e sua petrificacao. Pegamos toras de madeira para análise.

Através de teletransporte tentamos voltar para o quartel. Fomos interceptados por Sebastian e ele nos levou para uma sala, no meio de um circulo. Ele fez perguntas sobre a pedra, deu um medalhão a Zalbag (o medalhão nao pode se afastar de Zalbag nem da pedra) e nos levou a uma sala no andar de cima para contar a história do povo de Sai.

Ele contou sobre o Rei de Sai que tem 7 filhos so que so estão vivos 3. Um foi exilado e o outro banido. O rei morreu e o filho que toma conta é o mais novo, chamado Seiram. O excilado chama-se de SAI, conhecido pela sua extrema bondada, e o banido está desaparecido. É Este SAI que monta a cidade dos orientais em território do nosso reino. O nome da cidade/reino é SAI. (criativo né? hehehe). Nosso objetivo é proteger o SAI de qualquer maneira.

Passamos 9 meses treinando. Vamos para Sai num barco voador. No barco estavam nós, 2 agentes do esquadrao delta (um mortovivo com cara de jovem e um mais velho), Aliana (membro da família real dos dragões vermelhos), 2 capangas dela e outras pessoas responsáveis pela embarcação. Fomos atacados por umas gosmas pretas que sairam de uma caixa preta. A caixa preta pulsa, como um coração. Nela está aprisionada um mortovivo extremamente poderoso. A proximidade da caixa com Percival faz com que ela se abra e o afete de alguma forma. Acabamos com elas, pegamos as adagas, pegamos a caixa, um dos agentes concertou a nave e fomos para Sai.

Colocamos os corpos para fora do barco. Krauser foi o único que foi afetado de alguma forma, ou somente ele sente esse ‘negocio’. Ele fica enjoado ao chegar perto dos corpos. Para ele deve ser um tipo de gás. Ninguém mais percebeu nem passou mal.

Lá somos recepcionados pelo Coronel Hunteford e uma oficial superior. Ela nos passa informações que devemos ir atrás de um assassino que matou 2 crianças nobres, cujo bairro é impossível de entrar sem autorização expressa.

A noite um grupo de pessoinhas juntamente com um conjurador (ambos com roupas, máscaras e chapéus de peça de teatro) invadem o nosso quartel tocando flauta, danificando tudo. Eles vinheram numa carroça. O Coronel mata alguns, mas é através do intermédio de Percival Pendragon (uhhhhhhhhhhhhh Pendragon hehehe) e Arturiel que o grupo foge, principalmente o conjurador que se mostrou extremamento poderoso. Ele fugiu através de magia de teleportação.

Krauser conseguiu rastrear esta teleportação e foi até o local onde este conjurador foi ao teleportar-se. Lá descobrimos um grupo de teatro formado pelas mesmas pessoinhas e o mesmo conjurador (vimos pela roupa) que nos atacaram. Eles faziam parte do grupo circense chamado Shako, que atendia a nobreza. Fomos embora ja que todos sairam do teatro após a peça. Voltamos para a base.

Repentinamente apareceu uma outra carroça com um cara ferido pedindo para irmos na BASE dos dragoes (esqueci o nome do local hehe). Ao chegar lá, percebemos que a nossa base foi atacada. Explodiram boa parte do quartel.

Procuramos a lista de pessoas que entraram e saíram, mas nenhuma informação útil sobre o grupo de teatro ou pessoas estranhas.

Estamos muito chateados com o acontecimento.

PERGUNTAS: – Quem nos atacou no barco com a gosma preta? Por qual motivo?
– Quem atacou a base? Por quê?
– Quem é o assassino de crianças? Por que ele faz isso?
– O que afetou Krauser? Por que somente ele foi afetado?

Comments

lunkarius

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.